Poesia & poemas

31 maggio 2011

Mar de menina

Filed under: Poesie — patriziaercole @ 3:13 pm

Havia um mar,
e ali brotava uma ilha
povoada de lobos e de pensamentos.
Havia um fundo escuro e belo
onde os náufragos dançavam com sereias.
Havia ansiedade e abraço.
Havia âncora e vaguidão.

Brinquei com peixes e anjos,
fui menina e fui rainha,
acompanhada e largada,
sempre a meia altura
do chão.

A vida um barco, remos ou ventos,
tudo real e tudo
ilusão.

Lya Luft

Il mio passato

Filed under: Poesie — patriziaercole @ 3:08 pm

Spesso ripeto sottovoce
che si deve vivere di ricordi solo
quando mi sono rimasti pochi giorni.
Quello che è passato
è come se non ci fosse mai stato.
Il passato è un laccio che
stringe la gola alla mia mente
e toglie energie per affrontare il mio presente.
Il passato è solo fumo
di chi non ha vissuto.
Quello che ho già visto
non conta più niente.
Il passato ed il futuro
non sono realtà ma solo effimere illusioni.
Devo liberarmi del tempo
e vivere il presente giacché non esiste altro tempo
che questo meraviglioso istante.

Alda Merini

30 maggio 2011

Família Desencrontrada

Filed under: Poesie — patriziaercole @ 9:16 pm

O Verão é um senhor gordo,
Sentado na varanda,
Suando em bicas
E reclamando cerveja

O Outono é um tio solteirão
Que mora lá em cima do sótão
E a toda hora protesta aos gritos:
“Que barulho é este na escada?”

O Inverno é o vovozinho trêmulo
Com a boina enterrada até os olhos,
A manta enrolada nos queixos
E sempre resmungando:
“Eu não passo deste agosto, eu não passo deste agosto….”

A Primavera, em contrapartida
É ela quem salva a honra da família!
É uma menininha pulando na corda,cabelos ao vento
Pulando cantando debaixo da chuva
Curtindo o frescor da chuva
que desce do céu
O cheiro de terra que sobe do chão
O tapa do vento na cara molhada!

Oh!
A alegria do vento desgrenhando as árvores
Revirando os pobres guarda-chuvas
Erguendo saias

A alegria da chuva a cantar nas vidraças
Sob as vaias do vento…

Enquanto
Desafiando o vento, a chuva, desafiando tudo
No meio da praça
A menininha canta
a alegria da vida
A alegria da vida!

Mario Quintana

Le tue braccia

Filed under: Poesie — patriziaercole @ 9:10 pm

Lo spirito ha bisogno del finito

per incarnare slanci d’infinito.

Parlo con l’angelo, e le tue braccia d’uomo

soltanto lo traducono ai miei sensi.

Dove comincia l’ala? Dove nascono

musiche di tamburi di tempesta?

Amarti è sprofondare, è una foresta

sfumante in cieli altissimi.

Maria Luisa Spaziani

29 maggio 2011

Sob os teus pés

Filed under: Poesie — patriziaercole @ 8:27 pm

Tivesse eu as roupas bordadas do paraíso
tecidas com luz dourada e prateada
o azul e o escuro e os negros panos da noite
e a luz e as metades-luzes.
Eu espalharia essas roupas sob os teus pés.

Mas, sendo pobre, tenho apenas os meus sonhos.
Eu tenho espalhado os meus sonhos sob os teus pés.
Por isso, pise suavemente; afinal, você está andando sobre os meus sonhos.

Willian Butler Yeats

NON SAPRAI MAI

Filed under: Poesie — patriziaercole @ 6:00 pm

Non saprai mai che la tua anima viaggia
come in fondo al mio cuore, dolce cuore adottivo;
e che nulla, né il tempo, gli altri amori, gli anni,
impediranno mai che tu sia stato.

Che la beltà del mondo ha già il tuo viso,
di tua dolcezza vive, splende del tuo chiarore,
e all’orizzonte il pensieroso lago
narra soltanto la tua serenità.

Non saprai mai che porto la tua anima
come una luce d’oro che rischiara i passi;
che un po’ della tua voce suona nel mio canto.

Dolce fiaccola i tuoi raggi, dolce braciere la tua fiamma,
mi insegnano il cammino dei tuoi passi,
e un poco ancora vivi, perché ti sopravvivo.

Margherite Yourcenar

28 maggio 2011

Conheço a residência da dor.

Filed under: Poesie — patriziaercole @ 10:34 am

Conheço a residência da dor.
É um lugar afastado,
Sem vizinhos, sem conversa, quase sem lágrimas,
Com umas imensas vigílias diante do céu.

A dor não tem nome,
Não se chama, não atende.
Ela mesma é solidão:
Nada mostra, nada pede, não precisa.
Vem quando quer.

O rosto da dor está voltado sobre um espelho,
Mas não é rosto de corpo,
Nem o seu espelho é do mundo.

Conheço pessoalmente a dor.
A sua residência, longe,
Em caminhos inesperados.

Às vezes sento-me à sua porta, na sombra das suas árvores.
E ouço dizer:
“Quem visse, como vês, a dor, já não sofria”.
E olho para ela, imensamente.
Conheço há muito tempo a dor.
Conheço-a de perto.
Pessoalmente.

Cecília Meireles

Stornello per Irene

Filed under: Poesie — patriziaercole @ 10:28 am

Un’altra vita per te ho conosciuta,
bocca d’alba perduta.

Un’altra sete, un’altra giovinezza,
occhi di tenerezza.

Un cuore nuovo al vento che ti culla,
gran chioma di betulla.

Un primo amore pungente e divino,
mani di biancospino.

Il tuo felice addio sempre annunciato,
mio futuro radioso di passato.

Simone Weil

27 maggio 2011

DAME LA MANO

Filed under: Poesie — patriziaercole @ 7:06 pm

Dame la mano y danzaremos;
dame la mano y me amarás.
Como una sola flor seremos,
como una flor, y nada más…

El mismo verso cantaremos,
al mismo paso bailarás.
Como una espiga ondularemos,
como una espiga, y nada más.

Te llamas Rosa y yo Esperanza;
pero tu nombre olvidarás,
porque seremos una danza
en la colina y nada más…

Dammi la mano

Dammi la mano e danzeremo
dammi la mano e mi amerai
come un solo fior saremo
come un solo fiore e niente più.

Lo stesso verso canteremo
con lo stesso passo ballerai.
Come una spiga onduleremo
come una spiga e niente più.

Ti chiami Rosa ed io Speranza
però il tuo nome dimenticherai
perché saremo una danza
sulla collina e niente più.

Gabriela Mistral

26 maggio 2011

Senza respiro

Filed under: Poesie — patriziaercole @ 8:57 pm

Solo per un attimo
bussando
al tuo cuore
chiamo a raccolta
tutte le parole
che riesco a trovare
sul ciglio della strada.
Tutte le parole
ciottoli levigati
sotto le nostre lingue.
Li lascio cadere
lungo il cammino
per ritrovare la strada
che mi riporta a casa.

Erika Burkart

Pagina successiva »

Crea un sito o un blog gratuitamente presso WordPress.com.