Poesia & poemas

30 novembre 2010

Sonhando

Filed under: Poesie — patriziaercole @ 8:19 pm

É noite pura e linda. Abro a minha janela
E olho suspirando o infinito céu,
Fico a sonhar de leve em muita coisa bela
Fico a pensar em ti e neste amor que é teu!

D’olhos fechados sonho. A noite é uma elegia
Cantando brandamente um sonho todo d’alma
E enquanto a lua branca o linho bom desfia
Eu sinto almas passar na noite linda e calma.

Lá vem a tua agora… Numa carreira louca
Tão perto que passou, tão perto à minha boca
Nessa carreira doida, estranha e caprichosa

Que a minh’alma cativa estremece, esvoaça
Para seguir a tua, como a folha de rosa
Segue a brisa que a beija… e a tua alma passa!…

Florbela Espanca

Incantesimo

Filed under: Poesie — patriziaercole @ 8:14 pm

Il vuoto di lunghi
anni di distanza
può un attimo colmare,
poichè l’assenza del mago
non rompe
l’incantesimo.

Ceneri di mill’anni,
scoperte dalla mano
che le nutriva quand’erano fuoco,
arderanno di nuovo
e intenderanno.

Emily Dickinson

29 novembre 2010

Coroai-me

Filed under: Poesie — patriziaercole @ 4:48 pm

Coroai-me de rosas,
Coroai-me em verdade,
De rosas — rosas que se apagam
Em fronte a apagar-se tão cedo!
Coroai-me de rosas
E de folhas breves.
E basta.

Ricardo Reis

Antichissimi sono i boschi

Filed under: Poesie — patriziaercole @ 4:43 pm

Antichissimi sono i boschi;
E i germogli che sbocciano
Dai rami del roveto,
Quando si destano i venti di marzo,
Così antichi nella loro bellezza.
Oh,nessuno sa dire
Da quali oscuri secoli
Discenda errabonda la rosa!

Antichissimi sono i ruscelli;
E i rivi che sgorgano
Dove la neve dorme nel gelo
Sotto l’azzurro del cieli,
Cantano tale vicenda
Di vita e di morte
Che ogni goccia è saggia
Quanto Salomone.

Antichissimi siamo noi uomini;
I nostri sogni sono racconti
Narrati nell’Eden misterioso
Dagli usignoli d’Eva;
Ci destiamo e sussurriamo un poco,
Ma tramontato il giorno,
sonno e silenzio si stendono
Come prati d’amaranto.

 

AA.VV. Poesia inglese del ‘900, Guanda editore.

27 novembre 2010

Canção do poeta difícil

Filed under: Poesie — patriziaercole @ 5:14 pm

A minha pena é ásp’ra; a folha, que nem zinco!

Onde a cantiga tão doce
Que o meu amor cantava?

As palavras ficam-me nas linhas como urubus
plantados na cerca.

Quando eu era um passarinho
Morava numa gaiola
Que eu pensava que era um ninho…

Mas até onde, até onde eu vou puxar esta carreta?!

Quando eu era pequnino
Não usava ponto-e-vírgula…
Onde o arroio tão puro
Que de tão puro sumiu?

Mario Quintana

C’era un castello

Filed under: Poesie — patriziaercole @ 5:06 pm

C’era un castello
e avevo un manto
e sotto il manto avevo bambini.
C’era un castello con intorno giardini
volava il manto
volava il cielo
volava il verde di tutti i giardini.
C’era al castello un re molto bello
che in piedi nell’erba rideva forte.
E il cielo volava
e il sole volava
volava anche il manto con sotto i bambini.

Vivian Lamarque

dal libro Poesie 1972-2002 di V. Lamarque – ed. Oscar Mondadori

26 novembre 2010

M, de memória

Filed under: Poesie — patriziaercole @ 9:29 pm

Os livros sabem de cor
milhares de poemas.
Que memória!
Lembrar, assim, vale a pena.
Vale a pena o desperdício,
Ulisses voltou de Tróia,
assim como Dante disse,
o céu não vale uma história.
Um dia, o diabo veio
seduzir um doutor Fausto.
Byron era verdadeiro.
Fernando, pessoa, era falso.
Mallarmé era tão pálido,
mais parecia uma página.
Rimbaud se mandou pra África,
Hemingway de miragens.
Os livros sabem de tudo.
Já sabem deste dilema.
Só não sabem que, no fundo,
ler não passa de uma lenda.

Paulo Leminski

ARBOLE’ ARBOLE’

Filed under: Libri,Poesie — patriziaercole @ 9:22 pm

Arbolè arbolè
secco e verdè.

La bambina dal bel viso
raccoglie raccoglie olive.
Il vento, amico di torri,
la prende per la cintura.
Passan quattro cavalieri
sopra cavalle andaluse,
di verde e azzurro vestiti
con lunghi mantelli scuri.
“Bambina, vieni a Còrdoba.”
La bambina non li ascolta.
Passano tre toreri
che hanno stretta la cintura,
vestiti color arancio
con la spada argento antico
“Vieni a Siviglia, bambina.”
La bambina non li ascolta.
Quando la sera si fece
violetta, di luce vaga,
passò un giovane che aveva
rose e mirti di luna..
”Vieni a Granada, bambina.”
La bambina non lo ascolta.
La bambina dal bel viso
raccoglie, raccoglie olive,
col braccio grigio del vento
che la tiene per la vita.

Arbolè arbolè
secco e verdè.

Federico Garcia Lorca

Traduzione di Luisa Orioli – Donatella Bisutti L’albero delle parole Grandi poeti di tutto il mondo per i bambini, Feltrinelli editore

25 novembre 2010

O Livro sobre Nada

Filed under: Poesie — patriziaercole @ 3:41 pm

Com pedaços de mim eu monto um ser atônito.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas se não desejo contar nada, faço poesia.
Melhor jeito que achei para me conhecer foi fazendo o contrário.
A inércia é o meu ato principal.
Há histórias tão verdadeiras que às vezes parece que são inventadas.
O artista é um erro da natureza. Beethoven foi um erro perfeito.
A terapia literária consiste em desarrumar a linguagem a ponto que ela expresse nossos mais fundos desejos.
Quero a palavra que sirva na boca dos passarinhos.
Por pudor sou impuro.
Não preciso do fim para chegar.
De tudo haveria de ficar para nós um sentimento longínquo de coisa esquecida na terra — Como um lápis numa península.
Do lugar onde estou já fui embora.

Manoel de Barros

La giostra Jardin du Luxembourg

Filed under: Poesie — patriziaercole @ 3:37 pm


Con un tetto e con la sua ombra gira
per breve ora la giostra dei cavalli
multicolori, tutti dal paese
che lungamente tarda a tramontare.
Molti sono attaccati alle carrozze,
eppure tutti hanno un cipiglio fiero,
e un feroce leone, tinto in rosso, va con loro,
e a quando a quando un elefante bianco.

Perfino un cervo c’è, come nel bosco,
ma porta sella e, fissa alla sua sella,
una minuscola bambina azzurra.

E cavalca il leone un bimbo bianco
tenendosi ben fermo con la mano che scotta,
mentre il leone scopre lingua e zanne.

E a quando a quando un elefante bianco.

E passano su cavalli anche fanciulle
in vesti chiare, quasi troppo grandi
per questi giochi e nella corsa alzano
lo sguardo in su, verso noi, chi sa dove –

E a quando a quando un elefante bianco.

E il tutto va e s’affretta alla sua fine,
e gira e gira in cerchio e non ha meta.
Un rosso, un verde, un grigio che balena,
un breve, appena abbozzato profilo -.
E ogni tanto rivolto in qua, beato,
un sorriso che abbaglia e che si dona
al cieco gioco che ci toglie il fiato…

R.M.Rilke

Pagina successiva »

Blog su WordPress.com.